| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Ecopress
Desde: 17/03/2000      Publicadas: 26928      Atualização: 01/12/2009

Capa |  Cadastre-se  |  Eco Watch  |  Eco-Eventos  |  Ecolinks  |  Expediente  |  Newsletller  |  Notícias com Alta Repercussão  |  Notícias com Baixa Repercussão  |  Opiniões  |  Parceria


 Notícias com Baixa Repercussão

  13/10/2009
  0 comentário(s)


Noruega reduzirá emissões em 40%

Meta é a maior já anunciada para conter
mudanças climáticas

A Noruega anunciou ontem em Bangcoc, na Tailândia, a meta mais ambiciosa de corte de
emissões de gases que provocam o aquecimento global entre os países desenvolvidos. O governo
norueguês disse que reduzirá até 2020 suas emissões de gases-estufa em 40%, em relação ao
nível de 1990.

Aplaudido pela plateia, o anúncio da Noruega foi o acontecimento mais animador do encontro em
Bangcoc, que é uma preparação para a conferência do clima de Copenhague, na Dinamarca, em
dezembro.

As negociações têm avançado lentamente porque as nações mais ricas evitam falar em metas e na
quantidade de recursos que poderá ser usada para financiar o corte de emissões nos países em
desenvolvimento para que eles também se adaptem às mudanças climáticas.

Os cientistas do painel do clima da Organização das Nações Unidas (IPCC) recomendam que o
corte das emissões seja de 25% a 40% até 2020 e de 80% até 2050. Antes do anúncio da Noruega,
os objetivos mencionados pelos industrializados ficavam entre 11% e 18% - muito abaixo do que os
especialistas consideram necessário.

Na opinião do negociador-chefe do Brasil, Luiz Alberto Figueiredo Machado, a meta da Noruega traz
um alento para as negociações e deve realmente ser aplaudida. Para Kim Carstensen, da ONG
World Wide Foundation (WWF), o anúncio "mostra que são os governos que precisam dar o sinal
verde político para a construção de um acordo em Copenhague".

Não foi mencionado ainda quanto da meta norueguesa será atingida com esforços domésticos e
quanto virá por meio do mercado de créditos de carbono, que os países desenvolvidos podem
comprar das nações em desenvolvimento para compensar suas emissões.

Para a WWF, a Noruega deve ser o exemplo que o mundo precisa de como um país cuja economia
depende do petróleo pode mudar para um padrão de desenvolvimento sustentável de baixa
emissão de carbono.

Apesar de faltarem 58 dias para a conferência do clima de Copenhague, as delegações têm
apenas mais 6 para negociar - contando com hoje, em Bangcoc, e outros 5 dias em Barcelona, na
Espanha. Para o secretário-geral da Convenção do Clima da ONU, Yvo de Boer, os políticos
precisam demonstrar ambição para selar o compromisso. Ele comparou o andamento do processo
ao funcionamento de uma fábrica. Até agora, conseguiu-se erguer o prédio, mas ainda falta a
eletricidade para que as operações sejam iniciadas.

EXPECTATIVA

O Brasil demonstrou ontem preocupação com o texto da negociação da Redução de Emissões
para o Desmatamento e a Degradação (REDD). A avaliação é que o documento pode beneficiar
desmatadores de florestas nativas. O documento ainda será negociado na reunião em Barcelona,
em novembro.


A repórter viajou a convite da Convenção do Clima da ONU


NÚMEROS

18% é o valor máximo de redução de gases-estufa que havia sido anunciado por

nações industrializadas antes da divulgação da Noruega

80% é o porcentual

de redução indicado pela

ONU até 2050 para que as

mudanças climáticas ao redor do mundo sejam contidas
  Web site: http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20091009/not_imp448234,0.php  Autor:   AFRA BALAZINA/ Estado de S.Paulo





Capa |  Cadastre-se  |  Eco Watch  |  Eco-Eventos  |  Ecolinks  |  Expediente  |  Newsletller  |  Notícias com Alta Repercussão  |  Notícias com Baixa Repercussão  |  Opiniões  |  Parceria


Busca em

  
26928 Notícias